Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Cultura

A 5ª Mostra Ambiental de Cinema do Recife (MARÉ) acontecerá em ambiente virtual

Por: REDAÇÃO PORTAL
A sessão de abertura será realizada na terça-feira (8), às 18h, através do site da MARÉ (www.mare.rec.br)

Foto: Reprodução internet

03/12/2020
    Compartilhe:

A 5ª edição da Mostra Ambiental de Cinema do Recife (MARÉ) ganha um novo formato neste ano, entre os dias 08 e 13 de dezembro, por meio de plataformas digitais. A mostra é incentivada pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMAS), e tem o objetivo de oferecer uma programação de curtas e longas-metragens que dialogam com temáticas ambientais à disposição de todos, sem precisar sair de casa, e de graça.

A sessão de abertura será realizada na terça-feira (8), às 18h, através do site da MARÉ (www.mare.rec.br), com a participação do secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Neves Filho, e do coordenador da MARÉ, Rafael Buda. A primeira sessão será marcada pela exibição do documentário “A jangada de Welles”, que narra memórias da ditadura do Estado Novo, da Segunda Guerra, da luta de pescadores cearenses por direitos trabalhistas e por moradia no seu espaço tradicional – alvo de especulação imobiliária. A programação será diária, tendo um longa-metragem disponível por 24 horas. Dentre as novidades deste ano estará a exibição de uma retrospectiva de curtas na Arena Arbor do Jardim Botânico do Recife, com lotação máxima de 13 pessoas por sessão, respeitando as regras do Jardim Botânico do Recife em relação ao cumprimento dos protocolos de convivência com a covid-19. As sessões acontecem no domingo (13) têm classificação livre e os ingressos ficarão disponíveis na portaria do espaço, de forma gratuita.

“Com a crise climática que vivemos e a velocidade da destruição e queimadas da natureza, trazer essas temáticas para as produções audiovisuais levanta uma consciência e relevância do cinema para as questões ambientais e estimula a sensação de pertencimento do meio ambiente. Tanto os curtas quanto os longas podem ter o poder de sensibilizar o espectador ao mesmo tempo em que informam direta ou indiretamente”, destaca o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Neves Filho. Para o coordenador da MARÉ, Rafael Buda, a pandemia nos fez refletir sobre diversas coisas, mas repensar nossa relação com o meio ambiente é uma das principais. “Como diz Ailton Krenak, adiar o fim do mundo é sempre poder contar mais uma história. Chegamos a 5ª edição com uma programação provocadora, que reflete nossa ancestralidade e ao mesmo tempo aponta perspectivas para o futuro”, reflete Rafael.

A programação e curadoria foram desenvolvidas pelo crítico e pesquisador André Dib, a partir de três eixos estruturadores:  Cidades e Conflitos, Ecossistemas e Biodiversidade, Povos e Territórios. No total, serão exibidos onze produções brasileiras: os longas A jangada de Welles (CE), Castelos de Terra (MG/França), Yãmīyhex: as mulheres-espírito (MG) e Virou Brasil (MA/PE) e Beco (PE), do cineasta pernambucano Camilo Cavalcante, vencedor do último Festival de Gramado com o filme Kink Kong en Asuncíon; e uma retrospectiva de curtas com Fazenda Rosa (PE), O malabarista (GO), Enraizada (PE), Exília (PE), Viagem na chuva (GO), Yá, me conte histórias (PB).

No dia seguinte, quarta-feira (9), às 16h, acontece o Encontro Nacional de Festivais de Cinema Ambiental com uma reflexão sobre a junção entre a sétima arte e o meio ambiente, divulgando e promovendo a mensagem pela sustentabilidade, o respeito à natureza e a preservação. O encontro contará com Chico Guariba (Mostra Ecofalante – SP), Fellipe Redó (Cinema do Mar – RJ), Tania Caju (Cine.Ema – ES),) Marcelo Cordero (Festival Pachamama – AC) e Solange Arboleda (Rede Latino Americana de Cinema Ambiental / SescTV – SP).

Ao longo da programação, serão realizados diversos debates virtuais com o objetivo de aprofundar as discussões propostas pelos filmes e reforçar as temáticas envolvidas na edição. Estão confirmados os realizadores Camilo Cavalcante (PE) e Oriane Descout (França), além de Chico Guariba (Mostra Ecofalante), Cida Pedrosa (advogada, ambientalista e escritora), Graci Guarani (cineasta, produtora e formadora audiovisual, Mãe Beth de Oxum (ialorixá, mestra do Coco de Umbigada e embaixadora de Matrizes Africanas no Brasil), entre outros.

Desde 2014, a Mostra Ambiental do Recife procura levar através do audiovisual as questões ambientais para o público em geral e aos estudantes das escolas públicas do Recife, em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade da cidade. Dentro do circuito nacional de festivais ambientais, Recife já está no roteiro dos principais com a execução da MARÉ. Neste ano, devido à pandemia do novo coronavírus, a programação está sendo realizada de forma virtual. A última edição atingiu mais de cinco mil pessoas em sessões nas escolas municipais, Econúcleo Jaqueira, Cais do Imperador, Jardim Botânico, Cinema São Luiz, além de ação que espalhou 120 adesivos de QR Code com filmes ambientais por toda a cidade.

Programação completa em www.mare.rec.br

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook