Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Literatura

Mudança

Por: SIDNEY NICÉAS
Ricardo Mituti traz para o mês de agosto uma crônica sobre mudanças.

Foto: mikbutcher/Unsplash

08/08/2023
    Compartilhe:

*Por Ricardo Mituti

Não faz muito eu e minha família nos mudamos. Trocamos um apartamento por outro. Um pequeno, de meia-idade, por um grande, antigo. 

O negócio foi daqueles de oportunidade: ou fechávamos, ou talvez permanecêssemos instalados em 54 metros quadrados por pelo menos mais uma década.

Fechamos. E não foi uma transação daquelas tradicionais; foi um acordo familiar. Aliás, não foi apenas um acordo familiar; foi uma operação muito mais emotiva do que financeira. Nessas grandes voltas da vida, retornamos ao lugar onde tudo começou, nos primórdios do milênio. Foi no apartamento grande que conheci minha esposa. Era lá que ela vivia.

Saímos dele para o cartório e do cartório para o apartamento pequeno, o primeiro das nossas vidas. E foi nele, no apartamento pequeno, que formamos nossa família. Iniciamos, encerramos e reiniciamos novas vidas. Sim, porque nossas vidas mudaram inúmeras vezes enquanto lá estivemos.

Fomos muito felizes – ainda que, reconheço, isso seja clichê e piegas. Tão felizes que nas primeiras semanas após a mudança nosso filho ainda nos perguntava quando voltaríamos para casa. E isso não significava que ele estivesse infeliz no apartamento que conheceu como sendo a casa da avó; ao contrário. A questão é que deixamos uma parte de nós dentro do apartamento pequeno; deixamos uma história impregnada nas paredes daquele espaço. 

O escritor e ensaísta argentino Alberto Manguel, em “A Cidade das Palavras”, escreve que o lar é sempre um lugar imaginário. Tenho dúvidas. Fosse assim e eu não teria chorado ao trancar a porta daquele lar pela última vez. Idealizado talvez, mas deveras real, concreto.

E não foram só lágrimas que verti ao deixar para trás meu primeiro lar da vida adulta e conjugal. Senti um ciúme quase cego daquele vazio, daquele eco, por saber que, a partir de então, ele seria ocupado por desconhecidos. Pessoas que construiriam uma nova história naquele local onde por anos construímos a nossa.

O que me reconforta é saber que histórias, narrativas e recordações também podem ser transportadas. Não em caixas de papelão pardo, adesivadas e identificadas, empilhadas num caminhão de mudança. Histórias e recordações não são árvores, eternamente enraizadas num único terreno até que algo ou alguém ouse derrubá-las. 

Manguel, para quem as histórias são nossa memória, também diz que histórias criam histórias. Com isso eu concordo. Elas até podem fazer mais sentido num local do que em outro. Mas não são palpáveis, físicas. E por isso mesmo podem ser levadas para onde for. Desde que estejam eternizadas em nossa lembrança – em nossa memória. Mais ainda, aliás, desde que estejam eternizadas em nosso coração. Porque ele, o coração, é como uma biblioteca: a verdadeira morada das nossas histórias, narrativas e recordações.

--

Ricardo Mituti é jornalista, escritor e coordenador do Laboratório de Leitura. Atua como assessor de comunicação desde 2000. É coautor de O Brasil do Sol Nascente, autor de Histórias (Quase) Verídicas - adaptado para websérie - e Órfãos de São Paulo. É, ainda, idealizador e apresentador do talk show lítero-cultural Epígrafes, no ar na internet entre 2016 e 2018, criador da vivência lítero-humanística Viva Livros - Uma Experiência Literária e coapresentador do programa Leia a Bula. Também é palestrante, redator, roteirista, produtor, editor, ghost writer, narrador de audiolivros, mediador de debates, mestre de cerimônias e consultor para assuntos do mercado editorial e livreiro. É mestre em Ciências pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), com pesquisa na área de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, na linha "Humanidades, Narrativas e Humanização em Saúde"

 

REDES SOCIAIS:

www.mituti.com.br/blog

https://www.instagram.com/ricardomituti_escritor/ 

https://www.facebook.com/ricardo.mituti.5 

www.youtube.com/ricardomituti 

https://twitter.com/RicardoMituti 

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook