Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Opinião

“Não troco meu Oxente pelo Ok de ninguém”

Por: SIDNEY NICÉAS
Criticando os estrangeirismos, nacionais e estrangeiros, Paulo Caldas vê o

Foto: reprodução/Aldeiadagente.com.br

13/09/2023
    Compartilhe:

*Por Paulo Caldas

Guardo a frustração de não participar do atual falar dos brasileiros. Trata-se de um jeito nascido de palavras vindas da TV. Herança ordinária recebida desde o início dos programas transmitidos em rede nacional, faz com que até pareça chique imitar as falas da telinha.

Nos dias de hoje, é fácil ouvir uma série de coisas sem sentido; a qualquer pergunta feita se tem como resposta a palavra “então”. Em seguida pode esperar que vai ouvir: então, meio que, tipo assim, magina, nossa, sério?

O idioma pátrio é violentado também pelos termos mal pronunciados por apresentadores de TV: a palavra subsídio, por exemplo, no sotaque sudestenês é dita subzídio, bem como o termo companhia virou compania. E ainda tem gente que fala o errado na maior pose. E acrescente-se, vivemos ainda, a influência de expressões em inglês: feedback, expertise, coach e uma tal compliance.

O incorporar desses termos ao vocabulário ameaça o cotidiano do nordestinês: outro dia um supermercado fazia a oferta de uma de tal “mexerica” que sempre foi conhecida por tangerina. Aqui, no mundo de Aldeia (bairro da cidade de Camaragibe, zona metropolitana do Grande Recife), a subserviência cultural é flagrante: uma sopa de camarão com abóbora é servida na padaria Porto Primo. Por que não dizem camarão com jerimum? Outra iguaria lá oferecida é acompanhada de carne seca, outrora conhecida por carne de charque. E não venha dizer que são diferentes.

No âmbito das transmissões futebolísticas, o hábito de importar expressões ditas por narradores sudestinos obedece ao apelo do ridículo: o jogador reclamar dos companheiros significa pagar geral, chute forte é canudo, goleada é chocolate, bronca do juiz significa tomar uma dura.

Pois bem, se a ordem é copiar, que se repita Ariano Suassuna: “não troco o meu oxente pelo ok de ninguém’’. Apois viu…

--

Paulo Caldas é escritor.

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook