Carregando
Recife Ao Vivo

CBN Recife

00:00
00:00
Cultura

Plano Estadual do Livro tem Primeiras Ações

Por: SIDNEY NICÉAS
Em Pernambuco, cursos começam a ser realizados com verbas oriundas do Plano Estadual de incentivo ao livro

Foto: Reprodução/JC online

02/10/2022
    Compartilhe:

*por Sidney Nicéas

Há muito, quem se preocupa com os problemas do país e olha para ações que vão na raiz das questões, cobra políticas públicas sérias para a cultura. O livro, como um dos esteios da cultura de qualquer civilização que se preze, precisa de ações que envolvam sociedade e governos. Por isso o início dos investimentos ligados ao PELLLB - Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, em Pernambuco, sinalizam um avanço que, se multiplicado - não somente em Pernambuco, mas no Brasil -, pode trazer em médio prazo transformações sociais positivas.

O início dos citados investimentos se materializa em oficinas que acontecerão a partir de outubro deste ano, de forma gratuita, nas quatro macrorregiões pernambucanas. Mas antes de falar das oficinas, a gente conversou com o Coordenador de Literatura da Secretaria de Cultura de Pernambuco, Roberto Azoubel, para entender melhor os processos que resultaram nesse processo atual.

“Desde 2006, quando os então Ministros Fernando Haddad e Gilberto Gil, decidiram investir numa política mais planejada para o setor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, e começou a se estruturar um plano nacional. Desde esse momento já existia uma articulação da sociedade civil para pensar também num planejamento para políticas do setor. Essa articulação foi que gerou o Fórum Pernambucano em Defesa do Livro, Leitura, Bibliotecas e Literatura. A articulação do fórum era muito interessante, pois, apesar de ser majoritariamente da sociedade civil, ele se articulava com o poder público, que participava das reuniões, estadual e nacional. Desde então o Fórum, inspirado no PELLLB - Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, que prevê dentro dele a construção de planos municipais e estaduais, começou a articular, junto com a Secretaria de Cultura, escutas públicas, seminários, conferências, toda uma série de ações que pudessem apontar as principais carências do setor. Foi daí que o setor estruturou esse Plano”. 

Azoubel explica que o referido Plano acabou aprovado em 2020 (a gente divulgou aqui no Tesão), dando início a tudo. “Primeiro o Governo Estadual instituiu um grupo executivo de construção do Plano, que trabalhou em cima do levantamento realizado pelo Fórum, culminando em 2018 com a entrega do Plano para o Conselho Estadual de Política Cultural, com aprovação deste Conselho em 2020 do Plano Estadual de Cultura, regulamentando os planos setoriais, com previsão de início e fim. Então, a lei que institui a nova política para o setor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Estado prevê a existência desses planos, e é isso que dá legalidade a coisa toda. Na própria regulamentação se prevê que tanto a Secretaria de Cultura quanto a Secretaria de Educação destinem recursos, através da LOA (Lei de Diretrizes Orçamentárias), para ações que respondam a esse plano”.

O diferencial no formato em vigor, segundo Azoubel, é a necessária participação da sociedade civil no processo, junto com os governos. “Hoje existe um grupo de monitoramento do PELLLB, criado pela Secretaria de Cultura, composto por sociedade civil (com alguns membros da setorial de Literatura, que ajuda ao conselheiro do setor no conselho de políticas culturais), junto com as secretarias de educação e cultura. É esse grupo de monitoramento, no diálogo constante entre sociedade e governo, que institui as ações prioritárias que estão contidas no Plano”, explica.

Com o passo inicial, as oficinas recém-lançadas são somente o começo das ações com investimentos a partir do PELLLB. “Essas oficinas de formação, assim como um edital que pretendemos lançar em breve, de compra de livros de editoras pernambucanas - e que, apesar do pequeno valor, promete ser muito significativa, sendo um primeiro passo para compras maiores futuramente -, trazem os primeiros recursos após a regulamentação do PELLLB de 2020. Iniciamos com uma oficina para cada cadeia do setor: o Curso de Escrita e Leitura Literárias, com o escritor Sidney Rocha; a Oficina de Mediação de Leitura, com foco em uma bibliografia de povos originários, com Érica Verçosa; e a Oficina de Editoração Independente de Livros, com o poeta Fred Caju. Elas acontecem uma em cada Macrorregião do Estado, conforme consta no PELLLB. São 04 cidades escolhidas em consulta aos oficineiros”.

 

AS OFICINAS

Confira detalhes sobre cada oficina, todas gratuitas, anunciadas pela SECULT-PE. As inscrições são feitas por e-mail: [email protected].

 

ESCRITA E LEITURA LITERÁRIAS

O curso Escrita e Leitura Literárias, mediado pelo premiado escritor Sidney Rocha, é gratuito e as aulas serão realizadas no Cineteatro Bianor Mendonça Monteiro, em Camaragibe, nos dias 3, 4, 5, 6, 7, 10, 11, 13 e 14 de outubro, das 18h às 21h, e no dia 15, das 9 às 12h. 

As pessoas interessadas em participar devem enviar e-mail para o endereço [email protected]. Ao todo, serão disponibilizadas 20 vagas para pessoas com mais de 18 anos. 

O curso Escrita e Leitura Literárias tem como objetivo apresentar técnicas para a criação de histórias envolventes e personagens inesquecíveis, e está dividida em dois módulos: Estruturas Narrativas e Laboratório do Personagem. 

A dinâmica é baseada no comprometimento de cada participante, centrada em cada pessoa. Nas aulas será exigido ao participante a consciência de suas próprias capacidades, limitações, crenças, descrenças e descobertas individuais. Uma experiência do conhecimento, do intelecto, mas, sobretudo, da sensibilidade.

Serviço:

Curso Escrita e Leitura Literárias

Datas: 3, 4, 5, 6, 7, 10, 11, 13 e 14/10, das 18h às 21h; e 15/10, das 9 às 12h

Local: Cineteatro Bianor Mendonça Monteiro (Rua Dr. Pierre Colier, s/n - Vila da Fábrica, Camaragibe-PE)

Gratuito

 

MEDIAÇÃO DE LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES

A Oficina Mediação de Leitura e Formação de Leitores (foco na produção de povos tradicionais), com a pedagoga e contadora de histórias Érica Verçosa, é gratuita e as aulas serão realizadas na Biblioteca Pública de Olinda, nos dias 6, 7 e 13 de outubro, das 8h às 12h e 13h às 17h; e no dia 14 de outubro, das 8h às 12h e 13h às 15h. Esta é mais uma ação com recursos destinados ao Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (PELLLB).

As pessoas interessadas em participar devem enviar e-mail para o endereço [email protected]. Ao todo, serão disponibilizadas 20 vagas para pessoas com mais de 18 anos. Ao final do curso, a Secult-PE concederá certificado aos participantes.

A oficina Mediação de Leitura e Formação de Leitores (foco na produção de povos tradicionais) tem como objetivo contribuir com a qualificação de profissionais que atuam com a formação de leitoras/es literárias/os como: professoras/es, bibliotecárias/os, escritoras/es, poetas, contadores/as de histórias e mediadoras/es de leitura, em bibliotecas públicas, comunitárias, escolares e em outros espaços não formais de educação que trabalham com o incentivo à leitura.

O percurso para a construção de conhecimentos terá como base os seguintes conteúdos: ancestralidade e reconhecimento, olhar decolonial, concepções sobre tradição oral, concepções sobre literatura como um direito humano, relações entre tradição oral e literatura e estratégias de mediação de leitura e contação de histórias.

Érica Verçosa é pedagoga, especialista em Literatura Infantil e Juvenil, mediadora de leitura, contadora de histórias, formadora e ativista na luta pela garantia da democratização do livro, da leitura e da literatura a partir da existência de bibliotecas. Atua como consultora e assessora em educação e desenvolvimento de grupos e redes desde 2011 pelo Centro de Educação e Desenvolvimento Integral (CEDINHO).

Serviço:

Oficina Mediação de Leitura e Formação de Leitores (foco na produção de povos tradicionais)

Datas: 6, 7 e 13 de outubro, das 8h às 12h e 13h às 17h; e no dia 14 de outubro, das 8h às 12h e 13h às 15h

Local: Biblioteca Pública de Olinda (Av. Liberdade, 100 – Carmo – Sítio Histórico, Olinda-PE)

Inscrições pelo e-mail [email protected]

Gratuito


EDITORAÇÃO INDEPENDENTE DE LIVROS

A oficina Editoração Independente de Livros tem como roteiro e força motriz as etapas de editoração de um livro. Os participantes que procuram montar ou que já possuam uma iniciativa editorial terão contato com práticas do universo editorial desde o recebimento do texto original de autoras e autores até a sua publicação. Além de apresentar e discutir referências bibliográficas, nesta oficina também são apresentadas ferramentas de edição em softwares e serviços livres — seja para preparar o texto, seja para os cuidados em desenho gráfico. Não obstante, a oficina é centrada no modus operandi artesanal do livro, onde encadernações clássicas e experimentais se encontram na encruzilhada. 

Nada impede a presença de interessadas e interessados em outro modais de publicação, como e-books e livros rodados em gráficas, Editoração Independente de Livros é uma oficina alinhada à uma perspectiva de sustentabilidade ambiental, por isso tem como base o objeto-livro artesanal, onde o controle de insumos e o uso responsável do papel pode ser melhor gerenciado, além de torná-la mais acessível a mais camadas de público.

Essa oficina está prevista para as cidades de Afogados da Ingazeira (sertão), Garanhuns (Agreste), Vitória de Santo Antão (Zona da mata) e Paulista (RMR).

Natural de Recife e historiador por formação, Fred Caju é considerado um dos nomes mais importantes da nova geração de poetas em Pernambuco. Seu nome artístico foi criado a partir de um anagrama com as duas primeiras letras de cada nome do autor (Ednaldo Francisco do Carmo Júnior). Além de escritor, é editor e artesão do livro.

Em 2011 fundou o selo Castanha Mecânica, que trabalha com a produção artesanal de livros e com ebooks em uma plataforma gratuita na internet. Em 2016 passou a editar livros analógicos, onde o suporte e o projeto gráfico se entrelaçam com o projeto narrativo dos livros, transtornando fronteiras entre autor e editor na própria obra. Suas experiências como editor e artesão do livro são transmitidas através de oficinas de editoração, autonomia editorial e artesania. Assim como oficinas de escrita criativa com ênfase em minimalismo e linguagem econômica. Tem formação em Produção Editorial pela Universidade do Livro da Unesp. Anualmente abre chamada para recebimento de originais para publicação em todo Brasil, onde avalia cada original de acordo com as diretrizes editoriais e políticas da Castanha Mecânica, bem como critérios de qualidade literária.

Entre seus livros publicados estão os poemários “As tripas de Francis Conceição por ela mesma”, “Breu”, “Estilhaços”, “Permanência” e “Nada Consta” – uma das obras vencedoras do V Prêmio Pernambuco de Literatura. Também escreveu o livro de cronicontos “O revide das pequenas maldades”, e assina os poemas da revista de fotografias “A geometria da cidade”, além de ter editado e organizado a antologia literária antifascista “No entanto: dissonâncias”.

É um dos articuladores da MOPI – Mostra de Publicações Independentes. Conjunto de editoras que organiza eventos de formação, fruição e vendas de livros, sempre focando em como a literatura e os impressos respondem, enfrentam e reduzem danos em problemas contemporâneos. Além disso, Fred Caju já participou de diversas entrevistas, mesas de debates, apresentações em feiras literárias, oficinas e produções de eventos.

Notícias Relacionadas

Comente com o Facebook